Circuito das Estações reúne 13 mil pessoas em São Paulo, mas definitivamente não é para iniciantes

13 mil corredores, percurso desafiador e mais flanelinhas do que conseguimos contar: etapa de inverno do Circuito das Estações não é para qualquer um

A etapa de inverno do Circuito das Estações de São Paulo, com largada na Praça Charles Miller, no estádio do Pacaembu, é com certeza uma das corridas de rua de maior sucesso da capital. Na prova realizada no último domingo (03), 13 mil pessoas acordaram cedo para encarar percursos de 5 km, 10 km e 16 km na Zona Central de São Paulo.

O sucesso de público do Circuito das Estações, no entanto, veio acompanhado de alguns problemas bem inconvenientes para os corredores. O primeiro deles foi a dificuldade para estacionar no entorno do Pacaembu. As ruas do bairro foram tomadas por flanelinhas que chegaram a cobrar R$ 30,00 para estacionar os veículos dos corredores em estacionamentos de clínicas e escritórios particulares, bancos e até mesmo nas ruas. Corredores desatentos estacionaram seus carros em locais proibidos e na contra-mão, todos sob o ‘auxílio’ de flanelinhas. Num trajeto de seis quadras, consegui contar 17 flanelinhas em ação, enquanto no contorno do estádio, perdi a conta. Com a cobrança antecipada, pouco deles encontravam-se nas ruas após o fim da corrida.

Quem realmente não deu as caras antes e depois da prova foi a fiscalização, tornando livre e desimpedido o trabalho dos ‘guardadores’ de vagas nas ruas.

O segundo problema enfrentado e reclamado por vários corredores foi a entrega do chip para a corrida somente no dia da prova. O cartão responsável pela cronometragem de tempo não foi entregue junto com o kit, retirado nos três dias anteriores à etapa de inverno, na loja de artigos esportivos Centauro, no Shopping West Plaza.

O clima dentro da arena montada na Praça Charles Miller, no entanto, estava bem bacana, com pontos de encontro, banheiros químicos, espaço para guarda-volumes e a própria retirada do chip, separados por números de série, o que não causou filas demoradas ou atrasos para os corredores.

A largada foi separada por pelotões, e quem estava no pelotão branco para corredores leves, como eu, demoraram cerca de sete minutos para cruzar a linha de largada.

Já são 11 anos de Circuito das Estações, com basicamente o mesmo percurso, que obviamente é aprovado por muitos corredores. Mas, para quem vai corrê-lo pela primeira vez, deve atentar-se a alguns detalhes e repensar essa decisão. Por exemplo, o percurso de 10 km é bem desafiador, especialmente se essa for a sua primeira prova dessa distância. Eu, inclusive, não recomendaria estrear nos 10 km nessa prova. São pelo menos três subidas, a mais pesada delas para pegar o Elevado Costa e Silva, popularmente conhecido como Minhocão, que também tem um trajeto consideravelmente íngreme.

Se essa não é a sua primeira corrida de 10 km, a prova definitivamente vale a pena. Correr pelo Minhocão com uma São Paulo ainda adormecida é uma experiência única.

Os corredores de 5 km e 16 km, foram os com mais reclamações. Os de distância menor largaram mais tarde que os demais, porém, no trajeto, ‘toparam’ com, principalmente, os de 16 km, que já aceleravam para cruzar a linha de chegada nos kms finais. O encontro atrapalhou corredores das duas distâncias. Motos à esquerda dos corredores pediam durante quase toda a prova para que eles se mantivessem do lado direito da pista, mas controlar mais de 10 mil corredores é uma tarefa quase impossível. Dessa maneira, para quem quer melhorar seu tempo, essa prova também não é indicada.

O kit é um dos pontos positivos para o Circuito das Estações. A camiseta da prova é bonita, leve e de boa qualidade, o que agradou os corredores. Foram raros os que não estavam vestidos com ela. A medalha também vai fazer bonito no porta-medalhas.

Se você ama corrida de rua e estádios de futebol, vale a pena, com as ressalvas acimas, correr esta prova uma vez na vida. O visual antes e depois da corrida, com o estádio do Pacaembu – o berço do futebol na capital paulista – ao fundo, vai garantir belíssimas fotos.

Foto: Guia dos Esportes

 

Compartilhe:
Fernanda de Lima

Fernanda de Lima

Editora Guia dos Esportes